sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Sharlene : A Paranormal. Texto e Direção - Jiddu Saldanha

Sharlene: A Paranormal
Ator - Joás Teodora
Foto: Fernanda Rigon
Sharlene, é um texto que nasceu a partir de um argumento da produtora cultural Rafaela Medeiros, durante um exercício teatral da "Mascarada", coordenado por Italo Luiz Moreira, no OFICENA - Curso Livre de Teatro do Teatro Municipal de Cabo Frio. Foi neste exercício que Rafaela mostrou, pela primeira vez a personagem Sharlene, que despertou o interesse Dramatúrgico do TCC - Teatro Cabofriense de Comédia. 
A partir disso, Jiddu Saldanha, escreve um texto, mostrando aspectos mais profundos e misteriosos desta personagem. Sharlene é um homem/mulher e que coloca em contato com o público, um tipo de personagem, recorrente na cultura brasileira, principalmente na década de 70; que misturava religiões e linguagens, falando uma espécie de "portunhol" e contando histórias mirabolantes sobre acontecimentos que são um misto de verdade e mentira.
A cena teve sua estréia no FestSolos IV, com o ator Joãs Teodora, que teve um excelente desempenho, agradando o público e mostrando uma comédia de altíssimo nível técnico, com um tipo de interpretação inspirada no teatro "Caricatas", do inesquecível ator carioca Adagoberto Arruda. 
A força dramática de Joás Teodora, neste personagem, ainda que a peça tenha como foco a comédia, surpreendeu e encantou o púbico, ao ver, pela primeira vez, uma figura que faz parte de um folclore, praticamente esquecido, na cultura brasileira. Sharlene, representa, num certo sentido, o impacto da cultura de massa e também a mística religiosa e sincretista, do qual é revestida, alguns aspectos da vida e do cotidiano do brasileiro pobre.

Joás Teodora
O Jovem e Promissor ator de Cabo Frio, faz parte da marinha do Brasil, e cursa educação física na faculdade UNOPAR. Começou a fazer teatro em 2013, quando entrou para o OFICENA - Curso Livre de Teatro do Teatro Municipal de Cabo Frio, era adolescente  na época, até passar para o curso noturno, que agrega jovens.
De lá pra cá, participou de algumas edições do Cenas do Oficena, com destaque para o musical "O Estrelato de Gold", de Kéren-Hpuk e Nathally Amariá, e teve grande destaque como ator cômico no inesquecível "O Salão da Otilia", com a histriônica atriz Claudia Mury. Fez parte do elenco de "O Inspetor Geral" de Nikolái Gogol e, atualmente, participa dos ensaios, como Stand By de "O Auto da Compadecida" de Ariano Suassuana. Tendo que alternar entre faculdade, compromissos profissionais com a Marinha, Joás deu o seu jeito e hoje, faz parte da ecologia artística de Cabo Frio, cada vez mais engajado como ator e incentivador de sua geração.

Ficha Técnica

SHARLENE, A PARANORMAL"
ATOR: JOÁS TEODORA
TEXTO E DIREÇÃO: JIDDU SALDANHA 
DURAÇÃO: 12 MINUTOS
CLASSIFICAÇÃO: LIVRE

A BOA MARIA DO MAR - De Letícia Ferreira.

"A Boa Maria do Mar" - Pérola Hatake
FOTO: Marcos Souza 
A cena  "A Boa Maria do Mar", é mais uma montagem do TCC - Teatro Cabofriense de Comédia. Um solo teatral com a atriz Pérola Hatake e tem a direção de Nathally Amariá. O texto, escrito por Letícia Ferreira, de Arraial do Cabo, conta a história de uma mulher que vive a esperança de realização de um grande amor que partiu e nunca mais voltou, por outro lado, seu coração, espera, diante do misterioso mar de sonhos e profunda solidão, que se contrapõe à força e energia da mulher que habita a Região dos Lagos, do Rio de Janeiro.
Estreou no FestSolos IV, no dia 09 de Julho de 2017. Sua segunda apresentação aconteceu no Clube do Teatro, no dia 26 de agosto de 2017,   e marcou, também, o primeiro solo da atriz Pérola Hatake, que vem crescendo e se descobrindo, cada vez mais, no universo teatral de Cabo Frio.

Perola Hatake.
Com 2 anos de OFICENA - Curso Livre de Teatro do Teatro Municipal de Cabo Frio, esta jovem e promissora escorpiana, de apenas 20 anos, vem construindo seu início de carreira com muita dedicação. Teve sua participação em diversas apresentações do OFICENA e já participou do festival TEEN de São Pedro da Aldeia, com uma cena curta dirigida por Jean Monteiro.
Atualmente, se preparara para suam primeira peça longa, "O Auto da Compadecida" de Ariano Suassuna e com direção de Italo Luiz Moreira e Jiddu Saldanha.
2017 está sendo o ano de Pérola Hatake. Sábado e Domingo, agora, (Dias 09 e 10 de Setembro), ela estará fazendo mais um trabalho como estudante de teatro do OFICENA desta vez, com a direção de Pedro Carvalho, no Cenas do OFICENA 05, que será apresentado no Charitas - Casa de Cultura José de Dome, em Cabo Frio.
Ainda em agosto de 2017, Perola fez parte da  performance "Burleske", ao lado das atrizes Nathally Amariá e Nadir Pires, que foi apresentada no Cine Mosquito 69 e na primeira edição do Clube do Teatro, mostrando, também, um puco mais da sua versatilidade e pesquisa como atriz, fazendo uma homenagem às vedetes dos cabarés brasileiros. Com toda esta história, construída em 2 anos de carreira, Pérola, agora, compõe com seu belíssimo trabalho, de atriz, o repertório do TCC - Teatro Cabofriense de Comédia.

Ficha Técnica


“A BOA MARIA DO MAR”

GRUPO: TCC – TEATRO CABOFRIENSE DE COMÉDIA
ATRIZ: PÉROLA HATAKE
DIREÇÃO: NATHALLY AMARIÁ
TEXTO: LETÍCIA FERREIRA
DURAÇÃO: 12 MINUTOS
CLASSIFICAÇÃO: 12 ANOS

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Viagem ao Mundo da Mímica - 3 anos de Teatro Cabofriense de Comédia!

Depois de uma profunda reestruturação, TCC - Teatro Cabofriense de Comédia, faz seu novo espetáculo Infanto Juvenil, dessa vez, conta a história da mímica e aproveita para comemorar 3 anos de existência.

Jean Monteiro e Nathally Amariá, dirigidos por Jiddu Saldanha, levam adiante o legado da mímica no Brasil, contando
uma história que viaja pelo mundo do Cinema Mundo, da bufonaria e da farsa medieval, para contar uma história simples
e plena de sentido, a história dos lendários mímicos brasileiros e estrangeiros.
Um espetáculo diferenciado, como é o próprio caminho do TCC; seu novo trabalho, visita a arte da mímica e busca mostrar para o público infanto-juvenil, a riqueza de uma linguagem que já tem mais de 70 anos de prática no Brasil, desde os primórdios, quando Luiz de Lima e Ricardo Bandeira, circulavam pelos palcos e ruas até que se formassem novas gerações dispostas a levar adiante, o legado destes dois mestres. 
A estréia ocorrida no Teatro Popular de Rio das Ostras, uma bucólica e paradisíaca cidade da região dos lagos, no Rio de Janeiro, e que fez vibrar uma nova geração de crianças e jovens que se aproximaram e descobriram, a história dos lendários mímicos, principalmente da geração 80, do qual Jiddu Saldanha, diretor do espetáculo, faz parte.
Jean Monteiro, Jiddu Saldanha e Nathally Amariá, remanescentes do TCC -
Teatro Cabofriense de Comédia, que chegou a ter 16 participantes no inicio
de suas atividades artísticas em Cabo Frio.
Viagem ao Mundo da Mímica, conta a história de dois artistas nômades, a professora Kanipoff e seu ajudante Anacleto, ambos, saem pelo mundo e, de forma divertida e feliz, narram suas histórias para quem aparecer no teatro ou na rua. Só que desta vez, a  história em questão é a arte da pantomima, contada com palavras e gestos. Kanipoff, convoca seu ajudante, para mostrar ao público, algumas pantomimas, com uma abordagem paradidática, porém, articulada esteticamente dentro de linguagem de teatro medieval e cinema mudo. Com muita esperteza, diversão e gaiatices, ambos vão desenvolvendo, no palco, sua linguagem de ator, permeada por mímica, pantomima e teatro físico.

FICHA TÉCNICA

Texto e Direção: Jiddu Saldanha
Maquiagem: Noélia Rebello
Figurinos: O grupo
Design Gráfico: Marcio Souza
Fotografia: Ricardo Schmith

Curta nosso vídeo e divulgue este trabalho. Faça contato conosco. Nos convide para sua
escola!



quinta-feira, 8 de junho de 2017

SOPA - A PERFORMANCE.

O desenvolvimento da linguagem cênica, passa por olhares diversos, que não só, e, apenas, o olhar cênico tradicional. O teatro, como o cinema e tantas outras formas de manifestação artística, são olhares e nada mais. No caso de Cabo Frio, olhares que perpassam a URBE-PRAIANA, essa profundidade abissal de formas que se transformam, conforme a cidade mergulha em seu próprio caos. Afunda e emerge, ao mesmo tempo, criando uma espécie de ciranda das essências.
Este é o material dispendido na linguagem da performance "SOPA" que estreou no Centro Cultural Lagos, nas Palmeiras - Cabo Frio, no show da cantora Sarah Dhy, dia 29 de abril de 2017, interpretando a música "Infinito Particular" de Maris Monte. 
O trabalho, desenvolvido pela atriz e estudante de artes visuais, Nathally Amairá, foi repetido no Cine Mosquito 65, dia. A concepção básica deste trabalho é para espaços onde a treatralidade, muito mais que constituída, é construída, em função do ambiente onde a proposta se desenvolve. Com "direção conceitual" de Jiddu Saldanha, é um trabalho cuja visibilidade se constrói, a partir da relação entre atriz, espaço, e platéia, para, assim, fazer brotar o momento cênico.

Sopa - A Performance 
 Atuação conceitual - Nathally Amariá Andrade
Direção conceitual - JIddu Jiddu Saldanha
Realização: TCC - Teatro Cabofriense de Comédia 
Música: Infinito Particular - Marisa Monte 
Foto: jidduks
Estreia - No Centro Cultural Lagos - Cabo Frio / RJ