quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Viagem ao Mundo da Mímica - 3 anos de Teatro Cabofriense de Comédia!

Depois de uma profunda reestruturação, TCC - Teatro Cabofriense de Comédia, faz seu novo espetáculo Infanto Juvenil, dessa vez, conta a história da mímica e aproveita para comemorar 3 anos de existência.

Jean Monteiro e Nathally Amariá, dirigidos por Jiddu Saldanha, levam adiante o legado da mímica no Brasil, contando
uma história que viaja pelo mundo do Cinema Mundo, da bufonaria e da farsa medieval, para contar uma história simples
e plena de sentido, a história dos lendários mímicos brasileiros e estrangeiros.
Um espetáculo diferenciado, como é o próprio caminho do TCC; seu novo trabalho, visita a arte da mímica e busca mostrar para o público infanto-juvenil, a riqueza de uma linguagem que já tem mais de 70 anos de prática no Brasil, desde os primórdios, quando Luiz de Lima e Ricardo Bandeira, circulavam pelos palcos e ruas até que se formassem novas gerações dispostas a levar adiante, o legado destes dois mestres. 
A estréia ocorrida no Teatro Popular de Rio das Ostras, uma bucólica e paradisíaca cidade da região dos lagos, no Rio de Janeiro, e que fez vibrar uma nova geração de crianças e jovens que se aproximaram e descobriram, a história dos lendários mímicos, principalmente da geração 80, do qual Jiddu Saldanha, diretor do espetáculo, faz parte.
Jean Monteiro, Jiddu Saldanha e Nathally Amariá, remanescentes do TCC -
Teatro Cabofriense de Comédia, que chegou a ter 16 participantes no inicio
de suas atividades artísticas em Cabo Frio.
Viagem ao Mundo da Mímica, conta a história de dois artistas nômades, a professora Kanipoff e seu ajudante Anacleto, ambos, saem pelo mundo e, de forma divertida e feliz, narram suas histórias para quem aparecer no teatro ou na rua. Só que desta vez, a  história em questão é a arte da pantomima, contada com palavras e gestos. Kanipoff, convoca seu ajudante, para mostrar ao público, algumas pantomimas, com uma abordagem paradidática, porém, articulada esteticamente dentro de linguagem de teatro medieval e cinema mudo. Com muita esperteza, diversão e gaiatices, ambos vão desenvolvendo, no palco, sua linguagem de ator, permeada por mímica, pantomima e teatro físico.

FICHA TÉCNICA

Texto e Direção: Jiddu Saldanha
Maquiagem: Noélia Rebello
Figurinos: O grupo
Design Gráfico: Marcio Souza
Fotografia: Ricardo Schmith

Curta nosso vídeo e divulgue este trabalho. Faça contato conosco. Nos convide para sua
escola!



quinta-feira, 8 de junho de 2017

SOPA - A PERFORMANCE.

O desenvolvimento da linguagem cênica, passa por olhares diversos, que não só, e, apenas, o olhar cênico tradicional. O teatro, como o cinema e tantas outras formas de manifestação artística, são olhares e nada mais. No caso de Cabo Frio, olhares que perpassam a URBE-PRAIANA, essa profundidade abissal de formas que se transformam, conforme a cidade mergulha em seu próprio caos. Afunda e emerge, ao mesmo tempo, criando uma espécie de ciranda das essências.
Este é o material dispendido na linguagem da performance "SOPA" que estreou no Centro Cultural Lagos, nas Palmeiras - Cabo Frio, no show da cantora Sarah Dhy, dia 29 de abril de 2017, interpretando a música "Infinito Particular" de Maris Monte. 
O trabalho, desenvolvido pela atriz e estudante de artes visuais, Nathally Amairá, foi repetido no Cine Mosquito 65, dia. A concepção básica deste trabalho é para espaços onde a treatralidade, muito mais que constituída, é construída, em função do ambiente onde a proposta se desenvolve. Com "direção conceitual" de Jiddu Saldanha, é um trabalho cuja visibilidade se constrói, a partir da relação entre atriz, espaço, e platéia, para, assim, fazer brotar o momento cênico.

Sopa - A Performance 
 Atuação conceitual - Nathally Amariá Andrade
Direção conceitual - JIddu Jiddu Saldanha
Realização: TCC - Teatro Cabofriense de Comédia 
Música: Infinito Particular - Marisa Monte 
Foto: jidduks
Estreia - No Centro Cultural Lagos - Cabo Frio / RJ